Mudamos a imagem do blog para homenagear este gesto histórico entre uma manifestante e um policial da Policia Militar.

O Judiciário (MPF), as ongs CIMI (Conselho Indigenista Missionário) e Survival International, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e demais picaretas se uniram para praticarem a picaretagem indigenista. O povo do Vale do Araguaia e os guerreiros do Posto da Mata (Suiá Missu) se uniram para defenderem o Brasil. Um herói, vestido de maneira simples, e desarmado, avança contra vários soldados federais pesadamente armados. Seu heroísmo marcou a ação da picaretagem indigenista: um homem só, trabalhador, enfrentando o maior aparato militar já montado neste país pelos picaretas do judiciário, CIMI, CMI e Survival international. É por este motivo que seu ato é retratado no logo deste site: um homem, só, enfrentando a canalhice indigenista de norte americanos, brasileiros (indigenistas sem carater, vendidos à estratégia das grandes potencias), ingleses, noruegueses, alemâes, canadenses, italianos e etc. Um homem só enfrentando a canalhice deste mundo. Esta é a tônica deste site: um homem só enfrentando o mundo. Esta luta não é para muitos, é para os poucos que não foram contaminados pelo politicamente correto, que não tiveram seus valores relativizados pelo gramscismo que impera em toda a sociedade brasileira.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.
Você se pergunta porque os povos do mundo estâo em guerra em busca de seus direitos. Povos, raças, grupos de todos os matizes, todos estâo lutando com unhas e dentes por seus direitos. Em 1964 um ministro norte americano, William Branham, chegou a uma conclusâo, na qual o Resistencia Suiá Missu concorda: as cartas em apocalipse (2-3) às Igrejas da Ásia eram proféticas e se referiam a períodos de tempo pelo qual a igreja passaria e segundo o ministro, a ultima carta, a de Laodicéia, representaria esta era moderna na qual vivemos. Até o nome se encaixa na luta dos povos por direitos: Laodicéia - Direito dos Povos. Quando vocês veem o povo nas ruas, manifestando-se, lembre-se - estamos vivendo a ultima era da igreja: Era de Laodiceia, que significa a Era dos Direitos dos Povos

Arquivo do blog

Resistencia Suiá Missú

terça-feira, 11 de junho de 2013

Picaretas do MPF querem demarcação de terra indigena onde não tem indio

Ministério Público quer que Funai demarque terra indígena para índios que não existem - See more at: http://www.questaoindigena.org/2013/06/ministerio-publico-quer-que-funai.html#sthash.Fw3YiwZo.dpuf

O Ministério Público Federal (MPF) no Pará solicitou que a Justiça mantenha a decisão que obriga a Funai a dar continuação ao processo de demarcação da Terra Indígena Maró, para índios Borari, localizada no município de Santarém, oeste do Pará. O MP solicitou multa diária no valor de R$ 5 mil para o caso de descumprimento e prazo de 30 dias para o cumprimento da decisão. O único problema é que não existe etnia Borari. De acordo com o antropólogo Edward Luz, uma comunidade cabocla ribeirinha foi induzida por um Padre a se declarar indígena e a Funai e MP pretendem criar um TI para esses índios fabricados.

Os estudos de demarcação da área para índios falsos foram iniciados pela Funai em 2008 e o laudo antropológico fraudulento dando conta de que a terra era de ocupação tradicional dos tais índios Borari foi entregue em 2010. Edward Luz diz que o laudo foi financiado por uma ONG norte-americana, que teria pago US$ 2 milhões para uma congênere brasileira realizar o serviço. Depois que o relatório foi entregue o procedimento para demarcação foi paralisado e até hoje o resumo do estudo não foi publicado no Diário Oficial da União e no Diário Oficial do Estado do Pará, impedindo a continuidade do processo.

Argumento do Ministério Público é puramente econômico

De acordo com o pedido do MP a área, localizada na Gleba Nova Olinda I, vem sendo objeto de ordenamento territorial por parte do governo do estado do Pará, por meio do Instituto de Terras do Pará (Iterpa), órgão fundiário estadual. Além disso, o Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará (Ideflor), entidade vinculada à Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), pretende efetuar concessões florestais na região.

Assim, para o MPF é de enorme importância que a Funai demarque a Terra Indígena para os índios falsos para evitar a destinação legal da área. Segundo o procurador da República Luiz Eduardo Hernandes a “demarcação da Terra Indígena Maró é pressuposto para todo o ordenamento territorial da Gleba Nova Olinda I, uma vez que o órgão estadual deve saber qual a área que pertence à União, para que possa promover a ordenação da área restante”.

Em 2009, o MPF encaminhou recomendação à Funai solicitando a conclusão da análise do Relatório Circunstanciado de Identificação e Delimitação da Terra Indígena Maró, o prosseguimento do procedimento demarcatório e, caso o Relatório não fosse aprovado, que fosse apresentado o planejamento detalhado das ações necessárias à demarcação.


Fonte: Questão Indigena
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Hino de Resistência e PAZ pela Suiá Missu!!!

As armas estavam nas mãos de policiais brasileiros, mas a estratégia de desintrusão foi tomada nos salôes da ONU, palacios europeus de governo e Casa Branca por canalhas norte americanos, canadenses, ingleses (Principe Charles, dono da ong Survival international), sacerdotes católicos e protestantes do Conselho Mundial de Igrejas e indigenistas brasileiros sem carater