Mudamos a imagem do blog para homenagear este gesto histórico entre uma manifestante e um policial da Policia Militar.

O Judiciário (MPF), as ongs CIMI (Conselho Indigenista Missionário) e Survival International, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e demais picaretas se uniram para praticarem a picaretagem indigenista. O povo do Vale do Araguaia e os guerreiros do Posto da Mata (Suiá Missu) se uniram para defenderem o Brasil. Um herói, vestido de maneira simples, e desarmado, avança contra vários soldados federais pesadamente armados. Seu heroísmo marcou a ação da picaretagem indigenista: um homem só, trabalhador, enfrentando o maior aparato militar já montado neste país pelos picaretas do judiciário, CIMI, CMI e Survival international. É por este motivo que seu ato é retratado no logo deste site: um homem, só, enfrentando a canalhice indigenista de norte americanos, brasileiros (indigenistas sem carater, vendidos à estratégia das grandes potencias), ingleses, noruegueses, alemâes, canadenses, italianos e etc. Um homem só enfrentando a canalhice deste mundo. Esta é a tônica deste site: um homem só enfrentando o mundo. Esta luta não é para muitos, é para os poucos que não foram contaminados pelo politicamente correto, que não tiveram seus valores relativizados pelo gramscismo que impera em toda a sociedade brasileira.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.
Você se pergunta porque os povos do mundo estâo em guerra em busca de seus direitos. Povos, raças, grupos de todos os matizes, todos estâo lutando com unhas e dentes por seus direitos. Em 1964 um ministro norte americano, William Branham, chegou a uma conclusâo, na qual o Resistencia Suiá Missu concorda: as cartas em apocalipse (2-3) às Igrejas da Ásia eram proféticas e se referiam a períodos de tempo pelo qual a igreja passaria e segundo o ministro, a ultima carta, a de Laodicéia, representaria esta era moderna na qual vivemos. Até o nome se encaixa na luta dos povos por direitos: Laodicéia - Direito dos Povos. Quando vocês veem o povo nas ruas, manifestando-se, lembre-se - estamos vivendo a ultima era da igreja: Era de Laodiceia, que significa a Era dos Direitos dos Povos

Arquivo do blog

Resistencia Suiá Missú

terça-feira, 14 de maio de 2013

Suiá Missú: picaretas no jornalismo e indigenismo

O jornalismo indigenista: Como a imprensa perdeu a capacidade de informar sobre a Questão Indígena



Ontem me diverti muito com uma jornalista. Jornalistas brasleiros são muito divertidos porque se orgulham de alardear prenconcepções que juram ser fatos. São raros os que se ocupam de duvidar das verdades que carregam. Ao mosquear no Twitter me deparei com a informação da imagem acima postada no microblog pela "jornalista" Beth Begonha. Begonha se descreve assim no seu perfil: "âncora concursada da EBC. Só tinha uma vaga, então passei em primeiro lugar... Pós-graduada em Indigenismo pela UNB. Miolo Mole."

Begonha publicará hoje uma reportagem com o cacique Xavante Damião Paradzané, o líder da Terra Indígena Maraiwatsede demarcada pela Funai com os limites exatamente iguais aos limites da antiga Fazenda Suiá-Missu. Como os topógrafos que demarcaram a Fazenda nos anos 60 do século passado conseguiram acertar exatamente com os limites da terra Xavante é um mistério que nenhum "jornalista" jamais investigará. Begonha antecipou no Twitter como o Cacique Damião dirá que os Xavante foram retirarados da Fazenda Suiá-Missu: a força.

Como eu sei que os Xavantes não foram tetirados a força porque essa informação está no próprio laudo antropológico de criação da Terra Indígena que eu, ao contrário da jornalista, me dei ao trabalho de ler, eu disse isso a ela.

Veja a reação da jornalista:



Ao invés de atacar o argumento, atacou o interlocutor. Eu ainda me dei ao trabalho de dizer a ela que a informação está no laudo da antropóloga Iara Ferraz, reponsável pela identificação da Terra Indígena. E vejam qual foi a reação dela:

Ela jura que sabe que os Xavantes foram retirados (a força) da área, mas ignora o nome da antropóloga que fez o laudo de identificação da Terra Indígena. É bem possível que ela tenha assistido o Documentário Vale dos Esquecidos e não tenha visto que a descrição do tranporte dos Xavantes está também lá.

Logo depois dessa ultima postagem, Beth Begonha, a jornalista miolo mole e âncora concursada da Empresa Brasielira de Comunicação bloqueou o Questão Indígena no Twitter. Para quem não sabe, bloquear é um ato de fuga no microblog. Quando alguém não quer debetar com um interlocutor capaz (e chato) é só bloqueá-lo. Foi isso o que a "jornalista" fez: fugiu da informação divergente ao factóide que ela carrega entre as convicções de estimação.

Os Xavantes que viviam no Cerrado das cabeceiras do Rio Tapirapé e Xavantinho, fora dos limites florestados da Fazenda Suiá-Missu, foram convencidos a ir para a Missão Católica de São Marcos por padres de igreja Católica e outros índios Xavantes aculturados que viviam na missão. Foram transportados em aviões da FAB com anuência do próprio Claudio Villas-Boas e sob a supervisão do Padre Italiano Pedro Sbadelloto. A informação esta fartamente documentanda e a disposição de qualquer um que tenha curiosidade. Mas quem crê não duvida.

Imagem do dia em que os Xavantes foram trasportados para a missão
de São Marcos. Tem alguém amarrado? Tem alguém mostrando
desespero? Tem alguém tentando fugir?

Querem ver uma coisa que, nem a antropologia, nem o jornalismo de miolo mole explicam? Por que há relatos do suposto "tranporte forçado" dos Xavantes, mas não há relatos de captura? Quer dizer que os índios foram forçados, expulsos da região do Tapirapé, mas ninguém teve que capturá-los para isso? Eles ficaram lá, parados, esperandos que os demônios ruralistas os peassem e jogassem feito porcos, como gosta de dizer Damião, no C-47 da FAB?

Ao contrário dos jornalistas e indigenistas, os índios são muito espertos. Damião Paradzané aprendeu rápido que o discurso da expulsão favorecia a demanda pelo "retorno". A antropóloga Iara Ferraz diz que foram expulsos, Damião diz que foram expulsos, Beth Begonha não desconfia de ninguém e eis o factóide.

Beth Begonha pode bloquear o Questão Indígena no Twitter, mas ninguém possui a verdade para escondê-la.

Fonte: Questão Indigena
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Hino de Resistência e PAZ pela Suiá Missu!!!

As armas estavam nas mãos de policiais brasileiros, mas a estratégia de desintrusão foi tomada nos salôes da ONU, palacios europeus de governo e Casa Branca por canalhas norte americanos, canadenses, ingleses (Principe Charles, dono da ong Survival international), sacerdotes católicos e protestantes do Conselho Mundial de Igrejas e indigenistas brasileiros sem carater