Mudamos a imagem do blog para homenagear este gesto histórico entre uma manifestante e um policial da Policia Militar.

O Judiciário (MPF), as ongs CIMI (Conselho Indigenista Missionário) e Survival International, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e demais picaretas se uniram para praticarem a picaretagem indigenista. O povo do Vale do Araguaia e os guerreiros do Posto da Mata (Suiá Missu) se uniram para defenderem o Brasil. Um herói, vestido de maneira simples, e desarmado, avança contra vários soldados federais pesadamente armados. Seu heroísmo marcou a ação da picaretagem indigenista: um homem só, trabalhador, enfrentando o maior aparato militar já montado neste país pelos picaretas do judiciário, CIMI, CMI e Survival international. É por este motivo que seu ato é retratado no logo deste site: um homem, só, enfrentando a canalhice indigenista de norte americanos, brasileiros (indigenistas sem carater, vendidos à estratégia das grandes potencias), ingleses, noruegueses, alemâes, canadenses, italianos e etc. Um homem só enfrentando a canalhice deste mundo. Esta é a tônica deste site: um homem só enfrentando o mundo. Esta luta não é para muitos, é para os poucos que não foram contaminados pelo politicamente correto, que não tiveram seus valores relativizados pelo gramscismo que impera em toda a sociedade brasileira.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.
Você se pergunta porque os povos do mundo estâo em guerra em busca de seus direitos. Povos, raças, grupos de todos os matizes, todos estâo lutando com unhas e dentes por seus direitos. Em 1964 um ministro norte americano, William Branham, chegou a uma conclusâo, na qual o Resistencia Suiá Missu concorda: as cartas em apocalipse (2-3) às Igrejas da Ásia eram proféticas e se referiam a períodos de tempo pelo qual a igreja passaria e segundo o ministro, a ultima carta, a de Laodicéia, representaria esta era moderna na qual vivemos. Até o nome se encaixa na luta dos povos por direitos: Laodicéia - Direito dos Povos. Quando vocês veem o povo nas ruas, manifestando-se, lembre-se - estamos vivendo a ultima era da igreja: Era de Laodiceia, que significa a Era dos Direitos dos Povos

Arquivo do blog

Resistencia Suiá Missú

terça-feira, 28 de maio de 2013

Funai está distante da realidade do povo indígena”, afirma vereador Guarani

Em audiência pública, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, o vereador indígena de Dourados, Aguilera de Souza (PSDC), de etnia Guarani Nhandeva, afirmou que a Fundação Nacional do Índio (Funai) desconhece a real situação das aldeias do Estado. “A Funai está distante da realidade do povo indígena”, declarou Souza, remetendo a responsabilidade do conflito entre indígenas e produtores rurais ao Governo Federal. A audiência ocorreu nessa segunda-feira (27) e resultou em um documento que será entregue ao vice-presidente da República, Michel Temer, à ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann e ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, nesta terça-feira (28).

Durante o discurso, Souza alegou que a necessidade da população indígena de Dourados diz respeito à educação e assistência social. “Os caciques tradicionais acham que a Funai salvará a Pátria, enquanto que indígenas precisam de estrutura, escolas e creches”, afirmou. O dirigente disse ainda que está atuando no sentido de construir uma visão política diferente sobre os indígenas no ambiente acadêmico e defendeu a atuação conjunta de ambos os lados envolvidos no conflito. “A mídia joga índios contra produtores”, acusou.

Produtores rurais da região de Bonito, Iguatemi, Dois Irmãos do Buriti, Sidrolândia, Amambai e Antonio João participaram da audiência e narraram a atuação da Funai e a violência de invasões numerando prejuízos econômicos e sociais. O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul), Eduardo Riedel, enfatizou que a instituição sempre atuou pela Justiça e nela confia, mas que a situação já foi “longe demais”. "Nós somos pessoas de bem e não buscamos o conflito. Mas vamos defender o que é nosso", pontuou Riedel.

De acordo com o deputado estadual Zé Teixeira (Dem), a insegurança que a população rural do Estado vive atualmente pode se expandir se não houver maior mobilização. “Caso não haja o engajamento dos produtores e do restante da população, as demarcações em breve chegarão à zona urbana”, ressaltou Teixeira, citando como exemplo a demarcação realizada às margens da Rodoanel Mário Covas, na grande São Paulo.

Um dos pontos altos da audiência foi o depoimento do presidente da Associação dos Produtores de Suiá Missu (Aprossu), Sebastião Prado, detalhando a retirada de mais de sete mil pessoas da região em Mato Grosso, para que índios Xavantes tomassem posse da área. “Passei de produtor rural a indigente social. A prova de que terra não resolve o problema está no caso Raposa Serra do Sol (Roraima), onde índios expropriaram produtores e hoje passam fome”, enfatizou. Prado relatou que as sete mim pessoas retiradas de Suiá Missu estão jogadas ao vento. “Vi oito pessoas se suicidarem e 35% dos casais se separaram depois do despejo”, afirmou.

Propositora da audiência, a deputada Mara Caseiro defendeu a responsabilização criminal do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, pela morte do produtor rural Arnaldo Alves Ferreria, assassinado indígenas no dia 12 abril em Douradina. O vídeo mostrando o produtor sendo torturado pelos indígenas antes de morrer foi exibido na assembléia. Ao final, parlamentares e produtores acordaram termos do documento que será apresentado nesta terça-feira (28), em reunião com o vice-presidente, Michel Temer. O documento defende entre outras coisas uma CPI para a Funai, suspensão imediata das demarcações, julgamento dos embargos declaratórios relativos ao caso Raposa Serra do Sol, aprovação da PEC 215 - que transfere ao Legislativo a competência pelas demarcações - e a revalidação da Portaria 303, da AGU, com 19 condicionantes da Raposa Serra do Sol.

Além dos deputados estaduais, compuseram a mesa principal da audiência pública o presidente do Sistema Famasul, Eduardo Riedel, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MS), Júlio César Rodrigues; o prefeito de Iguatemi, José Roberto Arcoverde; o coordenador da Comissão de Assuntos Fundiários da Famasul e vice-presidente da Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja/MS), Cristiano Bortolotto; o presidente da Aprossul, Sebastião Prado; o presidente da Associação dos Criadores de MS (Acrissul), Francisco Maia e o vereador de Dourados, Aguilera Souza.


Fonte: Questão Indigena
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Hino de Resistência e PAZ pela Suiá Missu!!!

As armas estavam nas mãos de policiais brasileiros, mas a estratégia de desintrusão foi tomada nos salôes da ONU, palacios europeus de governo e Casa Branca por canalhas norte americanos, canadenses, ingleses (Principe Charles, dono da ong Survival international), sacerdotes católicos e protestantes do Conselho Mundial de Igrejas e indigenistas brasileiros sem carater