Mudamos a imagem do blog para homenagear este gesto histórico entre uma manifestante e um policial da Policia Militar.

O Judiciário (MPF), as ongs CIMI (Conselho Indigenista Missionário) e Survival International, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e demais picaretas se uniram para praticarem a picaretagem indigenista. O povo do Vale do Araguaia e os guerreiros do Posto da Mata (Suiá Missu) se uniram para defenderem o Brasil. Um herói, vestido de maneira simples, e desarmado, avança contra vários soldados federais pesadamente armados. Seu heroísmo marcou a ação da picaretagem indigenista: um homem só, trabalhador, enfrentando o maior aparato militar já montado neste país pelos picaretas do judiciário, CIMI, CMI e Survival international. É por este motivo que seu ato é retratado no logo deste site: um homem, só, enfrentando a canalhice indigenista de norte americanos, brasileiros (indigenistas sem carater, vendidos à estratégia das grandes potencias), ingleses, noruegueses, alemâes, canadenses, italianos e etc. Um homem só enfrentando a canalhice deste mundo. Esta é a tônica deste site: um homem só enfrentando o mundo. Esta luta não é para muitos, é para os poucos que não foram contaminados pelo politicamente correto, que não tiveram seus valores relativizados pelo gramscismo que impera em toda a sociedade brasileira.

Vídeos Resistencia Suiá Missú

Loading...
Você se pergunta porque os povos do mundo estâo em guerra em busca de seus direitos. Povos, raças, grupos de todos os matizes, todos estâo lutando com unhas e dentes por seus direitos. Em 1964 um ministro norte americano, William Branham, chegou a uma conclusâo, na qual o Resistencia Suiá Missu concorda: as cartas em apocalipse (2-3) às Igrejas da Ásia eram proféticas e se referiam a períodos de tempo pelo qual a igreja passaria e segundo o ministro, a ultima carta, a de Laodicéia, representaria esta era moderna na qual vivemos. Até o nome se encaixa na luta dos povos por direitos: Laodicéia - Direito dos Povos. Quando vocês veem o povo nas ruas, manifestando-se, lembre-se - estamos vivendo a ultima era da igreja: Era de Laodiceia, que significa a Era dos Direitos dos Povos

Arquivo do blog

Resistencia Suiá Missú

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Picaretas do Ministério Público Federal conseguem liminar de desintrusão de Suiá Missu

Se tem uma organização picareta é este Ministério Público Federal. Quando é indio que invade, eles protelam  a decisão até os proprietários desistirem da terra, como vem acontecendo no Mato Grosso do Sul.  Mas quando trabalhadores voltam aos seus lares, expulsos justamente pelo trabalho indigenista do Ministério Público Federal, logo  rapidamente conseguem ordem de desintrusão.


Veja matéria abaixo:

Mais uma etapa do episódio Suiá Missú – Marawatsede está prestes a acontecer, desta vez o episódio é a segunda ordem de retiradas das famílias que retornaram para o Posto da Mata, após o Governo não ter cumprido com as promessas de assentamentos e inclusões em ações sociais, pelo menos esse seria um dos motivos que as mais de 300 famílias que já voltaram para as terras que tiveram que deixar a partir de dezembro contam.

Nesta quinta-feira(06) o Agência da Notícia esteve no local onde as famílias estão acampadas, é no antigo hotel Goiano, onde a vice-prefeita da cidade de Alto Boa Vista Irmã Irene como é conhecida arrendava e tocava o comércio que tinha 20 quartos e oferecia cerca de 7 empregos diretos. Foi para esse mesmo hotel que a Vice-Prefeita e mais de 250 famílias se refugiaram depois de estarem há mais de 45 dias em acampamentos improvisados às margens da  BR-158. “Nós viemos para cá porque não temos para onde ir, tiraram tudo que nós tínhamos prometeram que iriam abrigar as pessoas e nada disso aconteceu, nós estamos reivindicando um Direito que é nosso, essa situação precisa ser revista e nós ainda acreditamos na Justiça”, disse irmã Irene ao Agência da Notícia.

Mais informaçôes, aqui
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Hino de Resistência e PAZ pela Suiá Missu!!!

As armas estavam nas mãos de policiais brasileiros, mas a estratégia de desintrusão foi tomada nos salôes da ONU, palacios europeus de governo e Casa Branca por canalhas norte americanos, canadenses, ingleses (Principe Charles, dono da ong Survival international), sacerdotes católicos e protestantes do Conselho Mundial de Igrejas e indigenistas brasileiros sem carater