Mudamos a imagem do blog para homenagear este gesto histórico entre uma manifestante e um policial da Policia Militar.

O Judiciário (MPF), as ongs CIMI (Conselho Indigenista Missionário) e Survival International, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e demais picaretas se uniram para praticarem a picaretagem indigenista. O povo do Vale do Araguaia e os guerreiros do Posto da Mata (Suiá Missu) se uniram para defenderem o Brasil. Um herói, vestido de maneira simples, e desarmado, avança contra vários soldados federais pesadamente armados. Seu heroísmo marcou a ação da picaretagem indigenista: um homem só, trabalhador, enfrentando o maior aparato militar já montado neste país pelos picaretas do judiciário, CIMI, CMI e Survival international. É por este motivo que seu ato é retratado no logo deste site: um homem, só, enfrentando a canalhice indigenista de norte americanos, brasileiros (indigenistas sem carater, vendidos à estratégia das grandes potencias), ingleses, noruegueses, alemâes, canadenses, italianos e etc. Um homem só enfrentando a canalhice deste mundo. Esta é a tônica deste site: um homem só enfrentando o mundo. Esta luta não é para muitos, é para os poucos que não foram contaminados pelo politicamente correto, que não tiveram seus valores relativizados pelo gramscismo que impera em toda a sociedade brasileira.

Vídeos Resistencia Suiá Missú

Loading...
Você se pergunta porque os povos do mundo estâo em guerra em busca de seus direitos. Povos, raças, grupos de todos os matizes, todos estâo lutando com unhas e dentes por seus direitos. Em 1964 um ministro norte americano, William Branham, chegou a uma conclusâo, na qual o Resistencia Suiá Missu concorda: as cartas em apocalipse (2-3) às Igrejas da Ásia eram proféticas e se referiam a períodos de tempo pelo qual a igreja passaria e segundo o ministro, a ultima carta, a de Laodicéia, representaria esta era moderna na qual vivemos. Até o nome se encaixa na luta dos povos por direitos: Laodicéia - Direito dos Povos. Quando vocês veem o povo nas ruas, manifestando-se, lembre-se - estamos vivendo a ultima era da igreja: Era de Laodiceia, que significa a Era dos Direitos dos Povos

Arquivo do blog

Resistencia Suiá Missú

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Por meio de nota Embrapa diz que fará "Gestão Territorial". Exatamente o que a Funai se recusa a fazer.

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuáia (Embrapa) divultou nota oficial a respeito das informações veiculadas pela mídia e em redes de comunicação sobre os relatório da empresa relacionados a estudos de áreas indígenas. Na nota a Embrapa afirma que "não tem por atribuição opinar sobre aspectos antropológicos ou étnicos envolvendo a identificação, declaração ou demarcação de terras indígenas no Brasil."

A Embrapa afirma que, desde sua criação, tem sido uma provedora de informações técnicas e científicas sobre a dinâmica do uso e ocupação das terras no Brasil e é prática da Empresa elaborar estudos, atendendo a demandas de diversos ministérios do Governo Federal no planejamento e na gestão territorial sustentável do Brasil. A nota diz ainda que toda informação dessa natureza é sempre produzida com o máximo de rigor técnico e gerada para atender demandas específicas do Governo Federal, de seus Ministérios e instituições vinculadas.

Leia nota na íntegra: Nota sobre a atuação da Embrapa na temática de planejamento territorial

A atropologia radical e as ONGs fizeram críticas à atuação da Embrapa na demarcação de terras indígneas, mas a Empresa nunca foi convidada a fazer demarcações. A atuação da empresa ficará restrida a levanta aquilo que a Funai, deliberadamente, se recusa a fazer: a gestão do território e o mapeamento dos conflitos gerados pelas demarcações.

À Funai, à antropólogia radical, ao Ministério Público e às ONGs, não importa se uma nova terra indígena resultará na destruição de uma cidade, como aconteceu na Suiá-Missu, ou se uma amplicação de terra indígena desassentará um assentamento do Incra, como aconteceu na Apyterwa e na Raposa-Serra do Sol. Os irresponsáveis não consideram esses fatores. O papel da Embrapa é justamente considerá-los.

É por essa razão que os antropólogos e as ONGs não querem a Embrapa no tabuleiro. Porque ela os fará ponderar os conflitos gerados pela criação de novas TIs, coisa que eles nunca tiveram que fazer até agora. O rigor científico da Embrapa será a mosca na sopa da antropologia desvairada.


Fonte: Questão Indigena




Nota do Blog da Resistencia Suiá Missu

O único erro do autor do texto foi, quando mencionou o Ministério Público, esqueceu-se de acrescentar antes a palavra "Bandidos", como eu sempre faço. Sempre que menciono tal instituição acrescento esta palavra por ela se encaixar no perfil destes dignatários representantes desta instituição, acostumados a colocar  a policia para bater em produtor rural mas não fazem nada quando se trata do MST, do estupro coletivo de indias em muitas etnias pelo país e do infanticidio.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Hino de Resistência e PAZ pela Suiá Missu!!!

As armas estavam nas mãos de policiais brasileiros, mas a estratégia de desintrusão foi tomada nos salôes da ONU, palacios europeus de governo e Casa Branca por canalhas norte americanos, canadenses, ingleses (Principe Charles, dono da ong Survival international), sacerdotes católicos e protestantes do Conselho Mundial de Igrejas e indigenistas brasileiros sem carater